Veja as principais Características

A Síndrome do Pânico está dentro do quadro de transtornos de ansiedade.

A Síndrome do pânico é um dos transtornos de ansiedade mais comuns. Cujos sintomas aparecem através de ataques de medo intenso.

Os episódios de síndrome do pânico são marcados por crises de ansiedade quase que inexplicáveis,  cujos sintomas físicos se assemelham ao de um ataque cardíaco o que acaba por intensificar a crise, devido o indivíduo achar que está tendo um ataque do coração e poder vir a óbito.

Os indivíduos com este quadro,  permanecem constantemente preocupados com o medo de um ataque recorrente. Pois os ataques de pânico ocorrem inesperadamente,  no trabalho, na rua, na faculdade, e às vezes até durante o sono.

Síndrome do Pânico é um transtorno no qual a ansiedade, que ocorre de modo alterado, é o principal sintoma. A pessoa sente ansiedade e ao mesmo tempo se desespera com suas reações. É um movimento duplo de sentir e temer o que se sente, o que intensifica a reação emocional a um grau extremo de ansiedade.

É extremamente necessário buscar ajuda profissional assim que tiver os primeiros ataques de pânico pois não sendo tratado pode levar a outros transtornos com o de agorafobia, um medo intenso de estar fora ou em espaços fechados causando danos muito significativo na rotina diária, trabalho, faculdade, relações interpessoais, familiares, entre outros.

Sintomas da Síndrome do pânico: 

  • Palpitações, aceleração cardíaca
  • Sudorese
  • Tremores ou estremecimentos
  • Sensações de falta de ar ou sufocamento
  • Dor no peito ou desconforto
  • Náuseas ou desconforto abdominal
  • Tontura
  • Calafrios ou sensações de calor
  • Parestesia (sensações de dormência ou formigamento)
  • Desrealização (sentimentos de irrealidade) ou despersonalização (sendo separado de si mesmo) *
  • Medo de perder o controle ou  de enlouquecer
  • Medo de morrer

Tratamento

Embora em muitos casos haja uma melhora muito significativa  apenas com o processo de psicoterapia.

Há casos em que o tratamento pode ser mais complexo se uma pessoa tiver mais de um transtorno de ansiedade , sofrer de depressão ou fazer uso de substâncias químicas.

Nesses casos acaba sendo necessário um trabalho multidisciplinar. Quando Psicólogo e Psiquiatra passam a atuar em conjunto, utilizando uma combinação entre psicoterapia e medicação.